quarta-feira, dezembro 07, 2005

quinta-feira, dezembro 01, 2005

É pior do que eu imaginava, ou o medo de perder inocência

Hoje eu acordei com o corpo pesado como a muito tempo não sentia. Fui dormir angústiada, triste. É duro encarar certos aspectos tanto da realidade que escolhemos quanto daquela que nos cerca.
Desilusão na vida profissional.
Por um momento acreditei que interessase o talento, o empenho, as idéias. Ningém quer ver além da medíocridade. Te reduzem a uma caixa de chicletes que vende mais pelas cores da embalagem do que pelo sabor- Isso se o gosto de corante artificial de tuti-fruiti ou abacaxi-selvagem de um chiclete pode se chamar sabor. E sabe o que é o pior, ter que ouvir: "Qual é o problema? Se é para ser um chiclete vócê é um ótimo chiclete, imagine eu que só sirvo para torrone!" FODA-SE. Já estou cansada desse mundinho. Não quero fazer parte. Não tem nada a ver com qualquer iniciativa pseudo-revoltada-revolucionária. Eu simplesmente tenho uma completa inaptidão para viver conforme a realidade que me cerca.
Me sinto minimamente corrompida, entretanto. Pode ser um pequeno sinal de adaptação.
É horrível me sentir dona de todos esses sentimentos contraditórios que me habitam. São sentimentos sujos, e são meus.
Notícias difíceis vindas de uma grande amiga.
Não sei nem o que dizer sobre isso. A vida consegue ser muito cruel...

Cadê todo mundo? Acho que as pessoas estão sonhando com cimento e concreto.

terça-feira, outubro 18, 2005

SONHOS!!!!!!!



Hoje tive sonhos aéreos. Sonhei que podia voar. Mas, percebi também que, já a alguns sonhos, onde sonho que vôo, não o faço pelo simples desejo da ação mas, por medo, urgência ou coragem extrema.
Nunca mais voei por que queria mas, por que precisava. No vôo dessa manhã eu estava visitando apartamentos para alugar em um prédio antigo, em uma cidade super arborizada. Os apartamentos eram enormes, bagunçados e com as divisões mais esdrúxulas. Olhei vários sem gostar de nenhum, de repente entrei em um que era perfeito. Comecei a vasculha-lo. Todas as janelas davam para o mato, menos a da sala que era de frente para vários outros predios e casinhas, tão antigos e coloridos quanto aquele, parecia que eu estava em uma cidadezinha espanhola. Cheguei na suíte, era linda enorme e clara. Ainda estava toda mobiliada e bagunçada como se os últimos moradores tivessem partido pela manhã. A cama com seus travesseiros e edredon brancos fora do lugar e a televisão ligada. Quando eu olhei para a tv, vi uma imagem do boneco assassino (!?!). Naquele exato momento fui tomada por uma mistura de pânico e revolta pois, percebi que havia caído no esquema das "malignas crianças bonecas assassinas" (!!!) . Daí em diante perdi os detalhes, sei que acontece uma batalha entre várias dessas crianças e o meu bando, tudo dentro de um dos cômodos da casa, era tudo muito cínico e demorado, uma certa letargia tensa pairava no ar. Até que em um belo momento eu resolvi sair voando pela janela (fazia parte de alguma estratégia na luta contra os malignos). Fui até o andar de cima e entrei na casa de umas velhinhas pela janela enquanto elas saiam de casa pela porta da frente. Parei na cozinha das vovós. Ao contrário de todos os outros apartamentos, a cozinha era pequena e escura. As vovós que tinham me visto entrar pela janela voltaram para casa. A partir do momento que elas abrem a porta eu passo a me ver de fora, junto com elas, e me deparo com a minha imagem nua, na frente da geladeira aberta segurando uma jarra de vidro na mão, a jarra está costantemente despejando água no chão, a água não acaba nunca e eu não me mexo. As duas senhoras falam comigo algo que eu não compreendo, sei que elas me entendem e não estão com medo. Olho para as duas, acordo do meu sonho e saio voando pela janela.

domingo, outubro 16, 2005


nuvens2 Posted by Picasa

BOM DIA

Hoje é o primeiro dia do horário de verão. Ínício do fim ... do ano!
Início do fim de um ciclo, início do fim dos dias chuvosos, início do fim das apresentações penosas, início do fim do tempo para tomar decisões para o próximo ano, início do fim dos pensamentos sobre o futuro, início do fim da busca desesperada por saber onde é que eu tô, início de um fim, início de mim

quarta-feira, maio 25, 2005

terça-feira, maio 24, 2005

PORQUÊ? PORQUÊ? PORQUÊ?

Oi,
Não sei se isso interessa a alguém mas, estou a beira de um ataque de nervos.
Sabe, o ano começou, parecia estar indo tudo bem... Ultimo semestre na faculdade, Ganhando um dinheirinho dando aulas de tecido, fazendo aulinhas na intrépida. Tudo muito divertido e extremamente prazeroso... Até que um belo dia TCHANANANAM aquela imensa culpa que consome os nossos momentos de singelesa e felicidade aparece e trás consigo uma desconcertante angústia. Me vi angustiada por não estar indo para frente na vida (!!?!!), por não estar trabalhando com o que escolhi, por não ter a minha casa...E então no mesmo dia, algumas horas depois, como uma armadilha do destino, acabo caindo meio que totalmente por acaso em um teste para uma peça de Teatro com 30 atores. Uma semana de testes, algumas pessoas conhecidas, tantas outras que viria a conhecer depois, eis que toca o meu telefone:
-Alô Vitória?
-Oi
-Aqui é o Cadu, Tudo bom?
-Tudo!
-Tô ligando para avisar que você passou no teste, os ensaios começam segunda as nove.
- Tá, obrigada. Poxa, te vi ontem no baixo.
-Eu também te vi.
-A tá
-Tá
-Beijo
-Até segunda
-Tchau
-Tchau
Desde então já se passaram dois meses de muito tabalho e, principalmente, muitas dúvidas. Agora, ao contrário de dois meses atrás, já não faço mais aula com o Rê, que não só me era muito importante como eu amava, como mal tenho tempo para ensaiar a peça da faculdade ou para dormir, em todos os surtos de gripe ou conjuntivite que surgem eu sou uma da vítimas, tive cistite duas vezes, tô tensa! Tá, em compensação estou trabalhando em um grupo de quase 30 pessoas onde todas se dão bem e se gostam muitíssimo, tenho trabalhado um tipo de teatro que eu não estou acostumada e tenho a consciência de que o meu Ego está sendo massacrado(pois é, imagina o perrengue). Só que eu estou muuito mal humorada, e não tem um dia que, mesmo faltando apenas 1 mês para a estréia, eu não pense em abandonar o projeto. Tá dificíl, e não consigo entender exatamente porque. Acho que além do grupo em sí a única coisa que me segura é a vontade de finalizar as coisas, lutar contra esse meu desejo destrutivo de abandonar tudo pela metade. Mas sabe, acho que se alguém me perguntar se vale a pena eu respondo que sim.
Vai entender...

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

O umbigo

Não sei se é bom. Nem mal!
Só sei, só sou
Milhares de unidades dividindo
e encontrando uma mesma
Vida.

Sou eu, sou todos, todos me
são
Fragmentos dessa certa existência
tão incerta quanto o ruído que
as leva.

Inconsciência consciente do todo
numa singular idéia cheia da
verdade das vidas que somos
por dentro

(escrita em algum lugar no ano de 2003)